liveonlinegambling -China-Austrália Foto: VCGApós sete anos, o Ministro das Relações Exteriores chinês, Wang Yi, está pr

Ministro dos Nególiveonlinegambling -cios Estrangeiros da China visita

China-Austrália Foto: VCG

China-Austrália Foto: VCG

Após sete anos,liveonlinegambling - o Ministro das Relações Exteriores chinês, Wang Yi, está programado para fazer outra visita à Austrália, confirmou o Ministério das Relações Exteriores chinês na quinta-feira, o que é amplamente visto como o último avanço nos laços entre China e Austrália em um momento em que Pequim está revisando se deve suspender suas tarifas sobre vinhos.

A convite do vice-primeiro-ministro e ministro das Relações Exteriores da Nova Zelândia, Winston Peters, e da ministra das Relações Exteriores da Austrália, Penny Wong, Wang, também membro do Bureau Político do Comitê Central do PCC, fará uma visita oficial à Nova Zelândia e à Austrália de 17 a 21 de março.

Durante a sua visita à Austrália, Wang realizará o sétimo Diálogo Estratégico e Estrangeiro entre a China e a Austrália com Penny Wong, que, de acordo com especialistas, é um formato antigo para troca de opiniões sobre questões bilaterais, regionais e internacionais de interesse.

Wang Wenbin, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, disse na quinta-feira que a China tem parcerias estratégicas abrangentes com a Nova Zelândia e a Austrália.

Este ano marca o 10º aniversário da visita de estado do presidente Xi Jinping à Nova Zelândia e à Austrália e também o 10º aniversário das parcerias estratégicas abrangentes entre a China e a Nova Zelândia e a China e a Austrália. Após sua visita anterior à Nova Zelândia e à Austrália há sete anos, a visita do ministro das Relações Exteriores Wang Yi desta vez dará início às trocas de alto nível deste ano entre a China e os dois países, disse Wang Wenbin.

Durante a visita, o ministro das Relações Exteriores Wang Yi e os ministros e líderes das Relações Exteriores dos dois países terão trocas amplas e profundas de opiniões sobre as relações bilaterais e questões internacionais e regionais de interesse mútuo. A China espera trabalhar com os dois países para cumprir os entendimentos comuns entre os líderes, aprimorar a comunicação estratégica, aprofundar a confiança mútua, avançar as trocas e a cooperação, promover o crescimento estável e sustentado das parcerias estratégicas abrangentes entre a China e a Nova Zelândia e a China e a Austrália e contribuir para a paz, estabilidade e prosperidade mundiais, observou Wang Wenbin.

"Acho que é uma coisa boa que Wang Yi esteja visitando", disse o primeiro-ministro australiano Anthony Albanese aos repórteres na quinta-feira, citando "progresso significativo" na remoção de impedimentos comerciais, de acordo com a AFP.

O canal de mídia australiano 9News informou que Penny Wong deve falar com Wang em 20 de março sobre várias questões, incluindo os restantes impedimentos comerciais, questões consulares, direitos humanos, prevenção de conflitos e segurança regional.

"A abordagem da Austrália é consistente; buscamos cooperar com a China onde podemos, discordar onde devemos e nos engajar em nosso interesse nacional", disse Wong em um comunicado na quarta-feira.

"É opinião da Austrália que um relacionamento bilateral estável permitiria que ambos os países buscassem seus respectivos interesses nacionais, se navegarmos por nossas diferenças com sabedoria".

Alvorecer de mais intercâmbios de alto nível

Desde que os dois chefes de estado se encontraram em Bali em novembro de 2022, a tendência para relações mais construtivas e mutuamente benéficas tem sido continuamente impulsionada pelos esforços de ambos os lados.

Em dezembro de 2022, Penny Wong visitou a China, a primeira ministra australiana a visitar o país desde 2019, onde se encontrou com Wang Yi. Mais tarde, em novembro de 2023, Albanese se encontrou com Xi em Pequim durante sua viagem à China, a primeira de um primeiro-ministro australiano em sete anos.

Ao mesmo tempo, nas trocas comerciais e econômicas, a Austrália e a China - o maior parceiro comercial desta última - estão se reconciliando.

Desde que a China anunciou em agosto de 2023 planos para encerrar as taxas antidumping e antissubvenção sobre a cevada importada da Austrália, muitos no país esperam o levantamento das tarifas sobre vinhos.

Em resposta a uma consulta da mídia sobre se o governo chinês suspenderá as tarifas sobre o vinho australiano, o Ministério do Comércio da China (MOFCOM) disse na quinta-feira que o ministério fará uma decisão final de revisão de acordo com os procedimentos de investigação com base na consideração abrangente dos comentários de todos. festas.

Durante a visita de Wang à Austrália, espera-se que o tópico das tarifas comerciais seja levantado, acreditam analistas chineses.

Esta visita ajudará a colocar a relação comercial entre os dois países de volta nos trilhos. Além disso, espera-se que o investimento australiano na China continue a aumentar de forma constante com o investimento chinês na Austrália mostrando sinais de recuperação, disse Yu Lei, professor da Universidade de Shandong, ao Global Times na quinta-feira.

A visita de Wang é considerada uma proteção do desenvolvimento estável e positivo conquistado com muito esforço das relações, disse Chen Hong, diretor do Centro de Estudos Australianos da Universidade Normal da China Oriental, acrescentando que após esta visita, vale a pena esperar se uma visita de alto nível do lado chinês para a Austrália pode ser realizada, observou o especialista, destacando que o objetivo precisa de esforços conjuntos dos dois países.

Sombra de Washington

Quando Wang Yi visitou a Austrália pela última vez em 2017, Malcolm Turnbull, do Partido Liberal, estava no cargo como o 29º primeiro-ministro do país em um momento em que Donald Trump estava começando a lançar uma série de políticas anti-China do outro lado do Pacífico e forçando os EUA aliados a seguir o exemplo, de acordo com Chen.

Mais tarde, quando Scott Morrison, do Partido Liberal, o sucedeu em 2018 e mostrou maior lealdade a Washington ao intensificar as políticas de depreciação da China, a Austrália sofreu anos de laços congelados com a China que impactaram severamente as trocas econômicas, culturais e políticas.

Desde que assumiu o cargo, Albanese tem tentado se distanciar das políticas anti-China da administração Morrison, e esta próxima visita do ministro das Relações Exteriores da China é vista como um sinal de que Canberra saiu da sombra de Morrison, destacou Chen.

Mas ainda há um ponto de interrogação sobre se Canberra pode dissipar a tristeza lançada por Washington sobre os laços com Pequim.

No último sinal positivo, Albanese disse na quinta-feira que seu governo não tem planos de copiar uma medida dos legisladores dos EUA para proibir o TikTok, a menos que concorde em se desfazer de seu proprietário chinês, informou a mídia.

Mas alguns observadores ainda acreditam que a China e a Austrália não podem mais retornar ao seu período de lua de mel, uma vez que permanecem diferenças sobre questões de segurança, militares e direitos humanos.

Yu previu que as restrições da Austrália ao investimento chinês em nome da segurança nacional continuarão e as diferenças na segurança regional entre os dois países persistirão.

O fortalecimento da aliança militar da Austrália com os EUA e seus contínuos desafios à soberania da China no Mar da China Meridional também afetarão os laços de degelo, alertou Yu.

Desde que ingressou no AUKUS liderado pelos EUA em 2021, a Austrália tem desenvolvido continuamente sua força militar com seu último anúncio em 20 de fevereiro de que investirá mais 11 bilhões de dólares australianos (US$ 7,25 bilhões) em gastos com defesa na próxima década, aumentando-o para 2,4 por cento de seu PIB, acima da meta de dois por cento definida por seus aliados da OTAN.

Observadores alertaram que Canberra parece estar tentando agradar Washington, cada vez mais vendo a China como uma ameaça potencial. Mas questionam se esta é uma escolha sábia para a Austrália. O maior beneficiário dos enormes gastos com defesa da Austrália são os EUA, pois são o maior revendedor de armas do mundo e contam com o aumento das tensões para vender armas, revelaram os observadores.

Chen disse que é importante que Canberra considere e compreenda seus reais interesses nacionais e estabeleça um equilíbrio entre sua aliança com Washington e sua parceria com Pequim.

O especialista instou a Austrália a gerenciar cuidadosamente as diferenças e evitar provocar Pequim em questões cruciais e sensíveis envolvendo a soberania da China e sua integridade territorial.

Os dois lados devem fortalecer a comunicação e as trocas, promover a liberalização do comércio regional e a facilitação do investimento e aprimorar as trocas interpessoais para solidificar as bases das relações bilaterais, ressaltou Yu.




ARTIGOS RELACIONADOS

China e Austrália resolvendo questões comerciais por meio de diálogo e consultação: FM

A

Visitantes, por favor deixem um comentário::

© 2024.sitemap